top of page

3 Perguntas: Silvia Furio - A importância do planejamento estratégico para microempresas



Silvia Furio é gerente regional de escritórios no Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). É formada em Tecnologia em Processamento de Dados com pós-graduação em gestão empresarial, marketing, gestão em arranjos produtivos locais, gestão e coordenação de grupos, desenvolvimento local e gestão de pessoas.


Para ela, o planejamento estratégico deve ser uma análise muito concreta e aplicável, considerando todos os fatores que podem afetar a vitalidade de um negócio. “Empreender no Brasil é uma arte levando-se em conta a quantidade de fatores que impactam para que a empresa sobreviva”. A especialista tem mais de 30 anos de carreira no Sebrae, mas sua trajetória profissional começou como auxiliar de serviços gerais. Posteriormente, foi estagiária de contabilidade. Teve experiência na área bancária, atuando na Caixa Econômica Federal por dois anos e, em seguida, ingressou no Sebrae, onde atuou em diversos setores: “tive a oportunidade de trabalhar no atendimento, no administrativo financeiro, na gestão e organização de cursos e posteriormente, na gestão de projetos de agronegócios, turismo rural, turismo, indústria e arranjos produtivos locais.


O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma instituição que atua dando apoio aos microempreendedores, estimulando o desenvolvimento e aprimoramento do negócio de modo sustentável. Segundo pesquisa “Sobrevivência de empresas”, divulgada em 2021, as microempresas têm menos chance de prever ações a longo prazo, pois a vida útil da maioria cessa em 5 anos de atividade. Isso pode estar relacionado ao perfil do Microempreendedor, que, em grande parte, abre um negócio por necessidade, com verba para investimento limitada. Nesse sentido, para a manutenção sustentável de um negócio, é importante manter um planejamento estratégico bem definido, pois isso pode ajudar a prever e gerir crises.


Convidamos Silvia Alzira Furio para explicar mais sobre a importância do planejamento estratégico em microempresas. Confira a entrevista aqui na nossa coluna #3Perguntas.



LM&Companhia: como as micros e pequenas empresas podem fazer um bom planejamento estratégico?

Silvia Furio: empresários de pequenas empresas na maioria das vezes ocupam a função de gerentes, vendedores, produtores e administradores. Dito isso, falar em planejamento estratégico para as pequenas empresas deve ser muito concreto, o empresário deve conseguir colocá-lo em prática. Para isso, usamos o Círculo Dourado de Simon Sinek, que deve responder três perguntas (veja abaixo).

Explicação do Círculo Dourado de Simon Sinek
Círculo Dourado de Simon Sinek. Imagem: reprodução

Tendo claras essas três perguntas do Círculo Dourado, uma empresa de pequeno porte, seja um carrinho de pipoca ou uma indústria de calçados, pode realizar seu planejamento. Junto com isso, todas as empresas devem ter muito claro quem é o seu público, onde ele está e de que forma pode atingi-lo.


LM: Segundo estudo divulgado pelo Sebrae, 29% das microempresas encerram atividades após 5 anos. Como o planejamento estratégico pode ser adotado para evitar a falência de negócios?

S.F: As pequenas empresas no Brasil surgem, em muitas situações, em função da necessidade do empresário e não da oportunidade existente. Diante disso, quanto mais o empresário enxergar porque a empresa existe, como ela atua e o que ela faz, mais a possibilidade de sobrevivência da mesma. Segundo a pesquisa GEM - Global Entrepreneurship Monitor do Sebrae junto com o Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade, um dos fatores mais importantes que fazem com que a empresa encerre suas atividades após 5 anos de existência é a falta de planejamento! Em planejamento, além do olhar estratégico, outra grande prioridade é monitorar o ponto de equilíbrio da empresa para definição das metas e posteriormente estratégicas de vendas. Só depois se definem as estratégias de marketing e comunicação.


Dessa forma o empresário tem a empresa nas mãos podendo garantir com mais eficiência a sobrevivência no mercado. Contudo, fazemos um alerta que há 3 fatores que afetam a sobrevivência de uma empresa: o primeiro é a gestão eficiente da empresa, que está sob controle do empresário; o segundo é a condição do setor em que essa empresa está inserida, que está fora de controle do empresário; o terceiro é o ambiente [externo] em que a empresa está inserida, que também está fora de controle do empresário (taxa de juros, preço do dólar, questões políticas etc). Por isso é importante a gestão da empresa ser feita na ponta do lápis!


LM:O planejamento estratégico e financeiro se relacionam? Que fatores podem impactar o futuro do negócio além do desequilíbrio fiscal?

S.F.: Finanças é um tema que está dentro do planejamento estratégico, assim como posicionamento estratégico, gestão de produtos e serviços, logística e distribuição, pesquisa de mercado, marketing, vendas, formação de preço de venda e outros temas. Fora a gestão da própria empresa onde o empresário deve levar em consideração vários temas, deve ainda monitorar o desempenho do setor e o ambiente em que a empresa está inserida, onde as questões fiscais fazem parte e o empresário da pequena empresa tem pouca ou nenhuma alçada para influenciar.


O Sebrae pode ajudar todas as pequenas empresas ou empreendedores que tenham interesse em implantar o planejamento. Procure um dos 33 Escritórios Regionais ou qualquer unidade do Sebrae Aqui, entre os mais de 500 existentes.



Comments


bottom of page