top of page

SIM! Nós temos Banana! ganha destaque em mesa de debate de congresso



O mundo do design está em constante evolução, e a cada dia fica mais claro o papel transformador que ele desempenha na sociedade contemporânea. Designers não são apenas criadores estéticos, mas também agentes de mudança social, que têm a responsabilidade de considerar aspectos como sustentabilidade, inovação social e projetos participativos em suas práticas. E foi com essa mentalidade que Lucas Melara e Ana Bia Andrade apresentaram o emocionante projeto "Sim! Nós Temos Banana!" no XIV Congresso Internacional de Enseñanza del Diseño, realizado na prestigiada Universidad de Palermo.


O projeto, que foca no arranjo produtivo local da banana no Vale do Ribeira, em São Paulo, Brasil, trouxe à tona a relação entre design, economia criativa e impacto social. A região, conhecida por sua rica biodiversidade e cultura caiçara, enfrenta desafios socioeconômicos, e é aí que o projeto entra. Com a combinação de análise panorâmica, cartografia sentimental e tecnologia social da memória, Lucas e Ana Bia mergulharam nas histórias e memórias da comunidade local, explorando a relação entre design, artesanato e a cultura da banana.


O projeto demonstra como a inovação social pode ser impulsionada pela criatividade e pela conexão com as raízes culturais. A banana, que é uma parte vital da história e economia do Vale do Ribeira, é uma das principais atividades econômicas da região. A cultura da banana não apenas envolve a agricultura, mas também o artesanato e a gastronomia, que são áreas intrinsecamente ligadas à economia criativa. O projeto resgatou e valorizou essas tradições, utilizando o design como uma ponte entre o passado e o futuro.


A abordagem interdisciplinar adotada pelos apresentadores reflete uma compreensão profunda da relação entre criatividade, estética e impacto. O projeto mostrou que a criatividade não é apenas um processo intuitivo, mas também uma necessidade para grupos vulneráveis e marginalizados. Ele destacou como as classes dominantes muitas vezes moldam a estética e valor de certos objetos, enquanto as classes subalternas são deixadas de lado. A importância da memória como uma ferramenta de transformação social também foi enfatizada, com a coleta e preservação de histórias sendo fundamental para a valorização da cultura local e a promoção da inclusão social.


Adélia Borges, renomada pesquisadora de design, explicou como a relação entre design e artesanato pode ser uma força poderosa para o desenvolvimento sustentável e a valorização da identidade cultural. O projeto "Sim! Nós Temos Banana!" é um exemplo concreto dessa ideia, mostrando como a colaboração entre designers e artesãos pode resultar em produtos únicos e inovadores que beneficiam tanto a economia quanto a cultura local.


O projeto não se limitou apenas ao mapeamento e documentação, mas também teve um impacto tangível na comunidade. Através da produção de um livro fotográfico-editorial, videoaulas de gastronomia e artesanato, e uma exposição cultural de histórias e objetos de arte relacionados à banana, o projeto trouxe visibilidade aos produtos locais, incentivou a comercialização e promoveu o desenvolvimento sustentável da região. Além disso, ao preservar a memória e a cultura da comunidade, o projeto fortaleceu a identidade local e contribuiu para a inclusão social.


O projeto é um exemplo inspirador de como o design pode transcender a estética e se tornar uma ferramenta poderosa para a transformação social e econômica. Ao resgatar e valorizar as tradições locais, promover a colaboração entre diferentes áreas do conhecimento e dar voz às comunidades, Lucas Melara e Ana Bia Andrade demonstraram que o design pode ser muito mais do que uma forma de expressão visual - pode ser um catalisador para a mudança real. A apresentação desse projeto no XIV Congresso Internacional de Enseñanza del Diseño foi um marco significativo, mostrando como o design pode ser uma força positiva na sociedade contemporânea.

תגובות


bottom of page